Portal ApoNews

MENU
Logo
Sábado, 16 de janeiro de 2021
Publicidade
Publicidade

Estado

Caraubense apresenta pesquisa em evento internacional de inteligência artificial

Por causa da pandemia do coronavírus, apresentação no evento de Inteligência Artificial aconteceu de forma online.

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Avaliando a Tradução Homem-Máquina com Mecanismos de Atenção para Sistemas Baseados em SQL para Indústria 4.0”. Esse é o tema do trabalho apresentado pelo mestrando Silvan Ferreira da Silva Júnior, egresso do curso de Engenharia Elétrica da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Campus Caraúbas, na 2020 IEEE INTERNATIONAL WOORKSHOP ON Metrology for Industry 4.0 and IoT.

Atualmente, Silvan Júnior é discente do Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica e de Computação da UFRN. “Foi a Ufersa, mais especificamente o Campus Caraúbas, que me introduziu no meio acadêmico e foi onde obtive uma grande base de conhecimento que me possibilitou permanecer nesse meio e contribuir para a ciência”, reconhece o mestrando.

Silvan Júnior explica que em decorrência da pandemia do novo coronavírus, a apresentação aconteceu de forma online. O trabalho, que é objeto de pesquisa do mestrado sob a orientação dos professores Ivanovitch Silva e Allan Martins, consiste em utilizar uma arquitetura recente de redes neurais para o processamento de linguagem natural de forma que possibilite o desenvolvimento de novas interfaces humano-máquina para aquisição de dados em um ambiente de Indústria 4.0.

“Basicamente, funciona de forma semelhante aos chatbots mais recentes que conseguem entender bem a nossa linguagem”, simplificou, acrescentando que o Chatbot é um programa de computador que tenta simular um ser humano na conversação com as pessoas.

Segundo o mestrando, o uso de bancos de dados relacionais está cada vez mais presente na indústria. Os aplicativos médicos, IoT e indústria 4.0 são exemplos citados. Silvan Júnior afirma que o sistema tem grande capacidade e eficiência no armazenamento e recuperação de dados, porém esse tipo de banco de dados requer conhecimento técnico em linguagens de consulta específicas para acessar essas informações o que distancia do público leigo.

“Ao treinar a rede neural o resultado obtido foi um modelo de linguagem com uma precisão de aproximadamente 99% no conjunto de validação” adiantou.

Na prática a pesquisa é mais uma demonstração das possibilidades que surgem quando se aplica inteligência artificial em ambientes industriais. A pesquisa pode auxiliar bastante no desenvolvimento de ferramentas que deixem informações importantes nesses ambientes mais acessíveis, inclusive para usuários leigos.  

“Acredito que a contribuição científica esteja justamente nesse desenvolvimento de novas formas de interfaces humano-máquina, que de certa forma impulsionam a pesquisa e possibilitam o surgimento de novas arquiteturas que possam ser aplicadas em diversas outras áreas” acredita Silvan Júnior.

Esta é uma cópia de conteúdo e não reflete necessariamente a opinião do GRUPO APONEWS DE COMUNICAÇÃO, sendo de inteira e total responsabilidade de Agora RN/Com informações da Ufersa

Créditos (Imagem de capa): Esta foto é de inteira e total responsabilidade de Reprodução/Ufersa

Comentários:

Envie sua mensagem para nossa redação!