Portal ApoNews

Notícias Ceará

Furto e desmonte de peças de torres de transmissão podem causar apagão em Fortaleza, alerta Chesf

A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) afirma que as torres vêm sendo "sabotadas" no trecho entre Pentecoste e Fortaleza.

Furto e desmonte de peças de torres de transmissão podem causar apagão em Fortaleza, alerta Chesf
Créditos: As fotos e vídeos contidos nesta matéria é de inteira e total responsabilidade de Reprodução
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

As peças metálicas das torres de transmissão da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) que interligam Sobral e Fortaleza, no Ceará, estão sendo retiradas, e isso pode causar um apagão na capital cearense, região metropolitana e cidades interioranas, segundo a companhia. O trecho entre Pentecoste e Fortaleza é o mais atingido. Até o momento, ninguém foi preso pelas ações.

“Essa ação é claramente um ato de sabotagem pois quem está fazendo essa retirada de peças tem experiência com esse tipo de atividade e tem conhecimento que o resultado da ação é a queda de torres de transmissão, como já aconteceu, causando prejuízo a toda sociedade”, disse o diretor de Operação da Chesf, João Henrique Franklin.

No dia 9 de maio, uma torre chegou a tombar na rodovia CE-401 em decorrência das ações de desmonte das estruturas, causando riscos de acidentes graves, inclusive, para a população circunvizinha. Além de recompor a linha de transmissão, a Chesf acionou a polícia estadual, federal e a Agência Brasileira de Inteligência, a Abin, para acompanhar o caso.

Prejuízo de R$ 2 milhões

Franklin afirmou ainda que mais de 20 toneladas de perfis metálicos de 120 estruturas já foram retirados pelos sabotadores, totalizando um prejuízo financeiro de mais de R$ 2 milhões. As equipes da Chesf estão mobilizadas nesse trecho entre as cidades de Pentecoste e Fortaleza, em trabalho contínuo de reposição de peças e reforço das estruturas, além de ações permanentes de inspeções.

“Para derrubar uma torre com mais de 30 metros de altura é preciso retirar muito material de sua base. Estamos tornando mais difícil o furto, com fiscalização, vigilância e novos procedimentos de fixação dos equipamentos, porém mesmo com todas as nossas ações, até o momento, os atos de sabotagem continuam.” disse.

Torre que caiu em maio por causa de danos na base, segundo a Chesf — Foto: Chesf/Divulgação

Torre que caiu em maio por causa de danos na base, segundo a Chesf — Foto: Chesf/Divulgação

O risco de um desligamento local causar impactos no restante do país é muito grande, segundo Flanklin, que pede investigação rigorosa para identificar e punir os responsáveis.

“Nesse momento de escassez hídrica em que o Norte e Nordeste estão exportando energia para o Sudeste e Sul, uma queda de energia provocada por sabotagem e derrubada de torres no Ceará pode provocar desligamentos de grande porte, já que temos um sistema elétrico nacional interligado. Para que essa sabotagem se interrompa, é fundamental fortalecer o policiamento, investigação e haver a responsabilização das pessoas envolvidas”, concluiu o diretor.

Aviso: Esse conteúdo não reflete a opinião do nosso portal e a sua fonte é g1.globo.com/ce
Comentários:

Veja também