Portal ApoNews

Notícias Maranhão

'Pensei que ia morrer', diz jovem negro agredido e apontado como ladrão do próprio carro no MA

Gabriel da Silva, de 23 anos, afirmou que também foi vítima de racismo e agora pede por justiça.

'Pensei que ia morrer', diz jovem negro agredido e apontado como ladrão do próprio carro no MA
Reprodução/Redes Sociais
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Gabriel da Silva, de 23 anos, ainda diz que está tentando se recuperar pelo que passou no último sábado (18), em Açailândia, no Maranhão, quando foi agredido por um homem e uma mulher que o acusaram de ser um ladrão.

O jovem que trabalha como recepcionista, estava no próprio carro, dentro do condomínio onde mora, e recebeu socos e chutes em plena luz do dia. Nas redes sociais, Gabriel disse que, além das agressões, houve crime de racismo.

"Eu quero que aconteça a justiça. É revoltante uma situação dessa, por achar que, por ser magro, negro, não poderia ter um carro. Quero que haja justiça porque isso não pode acontecer com as pessoas. Se fecharmos os olhos, isso pode acontecer até pior até com um familiar nosso. Isso é racismo. É crime", declarou Gabriel.

O boletim de ocorrência do caso foi registrado no dia 19 de dezembro, um dia depois das agressões, que foram filmadas por câmeras de segurança do condomínio. A Polícia Civil informou que está investigando o caso.

Nas imagens, um homem identificado como Jhonata, aparece e exige que Gabriel saia do veículo. Logo depois, a vítima recebe uma rasteira e começa a ser espancada. Uma mulher que acompanha Jhonata também ajuda nas agressões.

Gabriel afirma que tentou argumentar que ele era o dono do próprio veículo e apontar a documentação do veículo em seu nome. Tentou até mostrar que ele é morador do condomínio. No entanto, a violência só acaba quando um vizinho aparece e explica aos agressores que Gabriel falava a verdade.

"Eu senti que ia morrer. Mas graças a Deus um vizinho apareceu, e eu agradeço muito. Deus me fez aquele livramento", afirmou.

O g1 entrou em contato e pediu um posicionamento de Jhonata e da mulher que o acompanha nas agressões, mas não houve retorno até a última atualização desta reportagem.

Aviso: Esse conteúdo não reflete a opinião do nosso portal e a sua fonte é g1.globo.com/ma

Veja também

Envie sua mensagem para nossa Central de Atendimento.