Portal ApoNews

Notícias Pernambuco

Pernambucana presa em Portugal pela Interpol é trazida ao Recife

Ela era foragida da Justiça de Pernambuco após ser denunciada pelo Ministério Público por furto qualificado.

Pernambucana presa em Portugal pela Interpol é trazida ao Recife
PF/Divulgação
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Uma auxiliar administrativa que foi presa em Portugal pela Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) foi extraditada e voltou a Pernambuco, na quarta-feira (13). De acordo com a Polícia Federal (PF), a mulher, que tem 36 anos, é acusada de dar um golpe de R$ 300 mil na empresa em que trabalhava, no Recife.

A PF informou que agentes da corporação, que representam a Interpol em Pernambuco, foram até o país europeu no sábado (9) e voltaram na noite de quarta-feira com a mulher. Ela era foragida da Justiça de Pernambuco após ser denunciada pelo Ministério Público por furto qualificado.

A denúncia do MP ocorreu em julho de 2016 e a prisão preventiva foi decretada em outubro de 2019. No entanto, nesse mesmo ano, a mulher foi mudou-se para Portugal, onde morava desde então.

A mulher, segundo a PF, trabalhava em uma empresa de fabricação de peças de diferentes tipos de material localizada no bairro de Afogados, na Zona Oeste do Recife. O nome da acusada não foi informado.

Mulher que estava foragida da justiça em Pernambuco é presa em Portugal

Ela trabalhava como auxiliar administrativa no setor financeiro da empresa há 21 anos e costumava emitir duplicatas de notas fiscais, sem a devida correspondência dos serviços prestados pela empresa, segundo a PF.

A equipe da PF, junto com a mulher presa, desembarcou por volta das 20h40 no Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre, na Zona Sul da cidade.

A mulher foi levada a uma penitenciária, que também não foi divulgada pela PF. A acusada responde pelos crimes de furto qualificado com abuso de confiança e duplicata simulada, cujas penas variam de quatro a 12 anos de reclusão.

Aviso: Esse conteúdo não reflete a opinião do nosso portal e a sua fonte é g1.globo.com/pe
Comentários:

Veja também