Portal ApoNews

MENU
Logo
Sábado, 17 de abril de 2021
Publicidade
Publicidade

RN

Petrobras conclui venda de parques eólicos Mangue Seco 3 e 4 no RN

Venda das Eólicas Mangue Seco 3 e 4 foi concluída com pagamento de R$ 78,2 milhões à estatal.

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Petrobras anunciou que finalizou a venda conjunta com a Wobben Windpower de todas as suas participações nos parques de produção de energia eólica Mangue Seco 3 e 4, localizados em Guamaré, na região da Costa Branca potiguar. A venda foi feita à V2I Energia S.A.

Após o cumprimento de todas as condições precedentes, a operação foi concluída com o pagamento de R$ 78,2 milhões para a Petrobras. O valor total pago à Petrobras, considerando valores depositados no início da negociação, foi de R$ 100,7 milhões. A estatal tinha participação de 49% dos parques.

A venda dos parques faz parte dos desinvestimentos promovidos pela empresa. "Essa operação está alinhada à estratégia de otimização de portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à maximização de valor para os seus acionistas".

As sociedades Eólicas Mangue Seco 3 e Mangue Seco 4 fazem parte de um complexo de quatro parques eólicos localizado em Guamaré, com capacidade instalada total de 104 MW. As Eólicas Mangue Seco 3 e Mangue Seco 4 detêm e operam dois parques eólicos, com capacidade total de 52 MW, sendo 26 MW cada.

Em janeiro, a Petrobras informou que assinou também com a V2I Transmissão de Energia Elétrica contrato para a venda da totalidade de sua participação de 49% na sociedade Eólica Mangue Seco 1 por R$ 42,5 milhões - valor a ser pago em uma única parcela no fechamento da transação.

No mês seguinte, a estatal comunicou que assinou contrato para a venda de sua participação de 51% no capital social do parque eólico Mangue Seco 2 para o Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia Pirineus (FIP Pirineus), ao custo de R$ 32,97 milhões.

No processo de desinvestimentos feito pela empresa, a estatal deverá praticamente deixar o Rio Grande do Norte já que, em comunicado feito em agosto de 2020, ainda anunciou a abertura para venda também dos seus campos de exploração em terra, em águas rasas, além da estrutura logística e de refino de petróleo e gás no estado.

Aviso: Esse conteúdo não reflete a opinião do nosso portal e a sua fonte é g1.globo.com/rn

Créditos: As fotos e vídeos contidos nesta matéria é de inteira e total responsabilidade de Andre Valentim/Petrobras

Publicidade
Publicidade

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade