Portal ApoNews

MENU
Logo
Domingo, 18 de abril de 2021
Publicidade
Publicidade

Alagoas

Polícia prende sete pessoas em operação contra donos de granjas e avícolas em AL e PE

Alvos são suspeitos de sonegar impostos; cinco pessoas foram presas em Alagoas e duas em Pernambuco

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Uma operação integrada das polícias Civil e Militar, realizada nesta quinta-feira (8), prendeu sete pessoas suspeitas de integrar três organizações criminosas ligadas a compra e venda de frangos sonegando impostos. A ação acontece em Arapiraca, Palmeira dos Índios, Ibateguara, São José da Tapera e Penedo (AL), e também em Garanhuns e Correntes (PE). Donos de granjas e avícolas são alvos da ação.

No total, foram expedidos pela 17ª Vara da Capital 14 mandados de prisão e 20 de busca e apreensão. Os presos são levados para a sede da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic). Até as 7h, cinco pessoas tinham sido presas em Alagoas e duas em Garanhuns.

Um dos envolvidos no crime é um servidor da Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal). Na casa dele, em Ibateguara, foi encontrada uma quantia em dinheiro em decorrência da sonegação de impostos.

Em nota, o Sindicato dos Servidores da Fiscalização Estadual Agropecuária de Alagoas (Sinfeagro), representante dos profissionais da Adeal, informou que haverá uma apuração sobre o caso e tomará providências administrativas (leia a nota na íntegra ao final do texto).

Em uma casa em Arapiraca, a polícia encontrou mais de R$ 100 mil em um cofre. Dólares e euros também foram apreendidos na ação.

Segundo as investigações, os criminosos estão envolvidos em aquisição e distribuição de aves (frangos) em transportes irregulares, com ausência do cumprimento de requisitos sanitários, sonegação fiscal, corrupção ativa e passiva, falsificação de documentos, comercialização irregular de aves impróprias para consumo e comercialização de armas de fogo.

A operação foi denominada "Pirâmide Feudal" porque o esquema se assemelha a uma pirâmide, sendo os donos das granjas igualados aos reis, que enriqueciam através da sonegação fiscal, adulteração de documentos e venda de frangos inapropriados para consumo mediante corrupção de agentes públicos.

Os donos das avícolas equiparavam-se ao clero, que em conjunto com a nobreza e os servos faziam de tudo para que suas compras chegassem em suas avícolas sem maiores problemas, sobretudo com as fiscalizações.

Os intermediários, lobistas e negociantes, por sua vez, assemelhavam-se à nobreza, que faziam com que a organização criminosa funcionasse sonegando impostos, corrompendo pessoas, e sobretudo burlando as fiscalizações; e por fim, os envolvidos na parte de transporte, segurança, escolta e os informantes, seriam os servos que cooperavam para que a mercadoria chegasse a seu destino final.

A operação é fruto de um trabalho investigativo da Divisão Especial de Investigações e Capturas (DEIC), realizada de forma integrada com o Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv). Participaram ainda o Grupamento Aéreo e a DEIC.

NOTA DA SINFEAGRO

O Sindicato dos Servidores da Fiscalização Estadual Agropecuária de Alagoas (Sinfeagro), representante oficial dos profissionais da Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal), comunica que irá acompanhar toda a investigação acerca do fato que aconteceu na manhã desta quinta-feira (08/04), quando, em uma operação integrada das Polícias Civil e Militar, desencadeou a operação denominada de “Pirâmide Feudal”, no qual encontrou uma quantia em dinheiro na residência de um servidor da Adeal, no município de Ibateguara, durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão.

O sindicato faz questão de esclarecer que haverá apuração sobre o caso e todos os procedimentos ocorrerão junto à Adeal, que aguarda, neste momento, a comunicação oficial do Poder Judiciário para a tomada de providências administrativas.

O Sinfeagro destaca, ainda, que as ações da Polícia Militar e Polícia Civil tiveram contribuição efetiva dos servidores da Adeal, que trabalham arduamente, para combater a ilegalidade agropecuária em todo o estado, em conjunto com a Secretaria de Segurança Pública de Alagoas. Esta cooperação foi decisiva para desarticular as organizações criminosas que dividiam as tarefas para venda, compra e distribuição de aves com teórica sonegação de tributos devidos, graças à atuação dos fiscais agropecuários, que estão nas rodovias estaduais trabalhando diuturnamente.

Por fim, o Sindicato dos Servidores da Fiscalização Estadual Agropecuária de Alagoas reafirma o compromisso com os servidores da Adeal e preza pela valorização dos profissionais do órgão e pela divulgação dos serviços prestados pelos fiscais agropecuários, que executam as suas atividades com empenho e dedicação, garantindo a sanidade animal e vegetal, como também assegura a entrega de produtos de origem animal certificados e de qualidade à população.

Flávia Marques

Presidente do Sindicato dos Servidores da Fiscalização Estadual Agropecuária de Alagoas

Aviso: Esse conteúdo não reflete a opinião do nosso portal e a sua fonte é g1.globo.com/al

Créditos: As fotos e vídeos contidos nesta matéria é de inteira e total responsabilidade de SSP

Publicidade
Publicidade

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade